domingo, 27 de janeiro de 2019

ANDRÉ TRIGUEIRO - O HOMEM E O MEIO AMBIENTE - O DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO ...

Desencarnações Coletivas (Emmanuel)


Emmanuel

Sendo Deus a Bondade Infinita, por que permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos dos grandes incêndios?
(Pergunta endereçada a Emmanuel por algumas dezenas de pessoas em reunião pública, na noite de 23-2-1972, em Uberaba, Minas).
RESPOSTA:
Realmente reconhecemos em Deus o Perfeito Amor aliado à Justiça Perfeita. E o Homem, filho de Deus, crescendo em amor, traz consigo a Justiça imanente, convertendo-se, em razão disso, em qualquer situação, no mais severo julgador de si próprio.
Quando retornamos da Terra para o Mundo Espiritual, conscientizados nas responsabilidades próprias, operamos o levantamento dos nossos débitos passados e rogamos os meios precisos a fim de resgatá-los devidamente.
É assim que, muitas vezes, renascemos no Planeta em grupos compromissados para a redenção múltipla.
***
Invasores ilaqueados pela própria ambição, que esmagávamos coletividades na volúpia do saque, tornamos à Terra com encargos diferentes, mas em regime de encontro marcado para a desencarnação conjunta em acidentes públicos.
Exploradores da comunidade, quando lhe exauríamos as forças em proveito pessoal, pedimos a volta ao corpo denso para facearmos unidos o ápice de epidemias arrasadoras.
Promotores de guerras manejadas para assalto e crueldade pela megalomania do ouro e do poder, em nos fortalecendo para a regeneração, pleiteamos o Plano Físico a fim de sofrermos a morte de partilha, aparentemente imerecida, em acontecimentos de
sangue e lágrimas.
Corsários que ateávamos fogo a embarcações e cidade na conquista de presas fáceis, em nos observando no Além com os problemas da culpa, solicitamos o retorno à Terra para a desencarnação coletiva em dolorosos incêndios, inexplicáveis sem a reencarnação.
***
Criamos a culpa e nós mesmos engenhamos os processos destinados a extinguir-lhe as conseqüências. E a Sabedoria Divina se vale dos nossos esforços e tarefas de resgate e reajuste a fim de induzir-nos a estudos e progressos sempre mais amplos no que diga respeito à nossa própria segurança.
É por este motivo que, de todas as calamidades terrestres, o Homem se retira com mais experiência e mais luz no cérebro e no coração, para defender-se e valorizar a vida.
***
Lamentemos sem desespero, quantos se fizerem vítimas de desastres que nos confrangem a alma. A dor de todos eles é a nossa dor. Os problemas com que se defrontaram são igualmente nossos.
Não nos esqueçamos, porém, de que nunca estamos sem a presença de Misericórdia Divina junto às ocorrências da Divina Justiça, que o sofrimento é invariavelmente reduzido ao mínimo para cada um de nós, que tudo se renova para o bem de todos e que Deus nos concede sempre o melhor.
(Transcrito do livro: XAVIER, Francisco C. Autores diversos. Chico Xavier pede licença. S.Bernardo do Campo: Ed. GEEM. Cap. 19).



terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Suicídio: por quê? Hélio Tinoco


Quantas vezes nos perguntamos, diante de um caso de suicídio, por quê? Enquanto muitos lutam em condições de extrema penúria, nos leitos dos hospitais, por mais um fio de vida, alguém decide, voluntariamente, desperdiçá-la em plena e total abundância de vigor.

Ocorre que, ao longo da história conhecida, ou seja, pelo menos nos últimos seis mil anos, a Humanidade vem passando por estágios naturais, migrando da condição de Barbárie, onde imperava o uso da força, à de Civilização moral. E passando, inevitavelmente, pela Civilização material, onde o ter era a razão da existência, conquistando cada vez mais sensível evolução: o ‘ser’ passa a imperar com real consciência (“Evangelho Segundo o Espiritismo”, capítulo 25, item 5).

Durante estes períodos, muitas atitudes de abuso foram tidas como naturais, a exemplo da escravização dos derrotados nas guerras, os quais ouviam – incessantemente – falas de desvalia e humilhação, grafando em seus psiquismos, ao longo das sucessivas encarnações, a cristalização da baixa estima: incontáveis tiveram encarnações inteiras vivenciadas no mais miserável e completo estado de inferioridade.

Muitas vezes, as recordações do inconsciente emergem em formas de mensagens sublineares, não codificadas, trazendo a ideia atual equivocada de que não temos – ainda – a menor importância. Este sentimento secreto alimenta, sob influências ou não, a ideia de desvalia da vida e, consequentemente também, a proposta de eliminá-la.

Se somarmos a este quadro o atual momento de Transição Planetária, onde muitos espíritos que estavam resistentes no mal, nas zonas umbralinas, estão sendo obrigados a reencarnarem compulsoriamente, a fim de terem mais uma oportunidade de se convertem ao bem antes de suas deportações a outros planetas em menor evolução que a Terra, que desponta para o grau de Regeneração; e a tendência de tentarem fugir de suas realidades por meio do torpor anestésico da drogadição ou, outras vezes, pelo suicídio, podemos compreender a infeliz estatística mundial de um caso de autoextermínio a cada 40 segundos e o número alarmante de 32 casos por dia no Brasil.

Cabe também aos cristãos espíritas mais esta tarefa imperiosa, que é alertar quanto às dolorosas consequências reais sobre aqueles que – em seu tempo oportuno receberão o socorro necessário – infligem o primeiro de todos os direitos: o direito à vida (questões 880 e 957 de “O Livro dos Espíritos”). Só Deus pode dar a vida e só Ele a pode tirar...

Todo este quadro doloroso atual tem desenvolvido doenças, como a ansiedade e a depressão, que estão sempre relacionadas aos casos de suicídios (segundo estatísticas, 90% deles foram antecedidos por uma crise de depressão), alimentados, muitas vezes, por processos obsessivos, do raciocínio confuso e falido que leva alguém tirar a própria vida, acreditando poder assim aliviar sua dor...

O despertar no mundo dos espíritos, para estes, costuma ser extremamente mais doloroso e decepcionante: encontram uma condição mais dolorosa do que vivenciavam no corpo material antes da nefasta decisão (“O Céu e o Inferno”, segunda parte do capítulo 5). Evitemos solidão e isolamento! Alertemos a todos, sempre, e a nós mesmos: suicídio, nunca!